| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Leo Cunha - Literatura infanto-juvenil
Desde: 22/12/2003      Publicadas: 217      Atualização: 28/05/2015

Capa |  Biografia de Leo Cunha  |  Entrevistas  |  Fortuna Crítica  |  Galeria  |  Livro a Livro  |  Notícias  |  Oficinas  |  Opinião  |  Poemas Animados  |  Prêmios  |  Teoria  |  Todos os Livros  |  • Contatos


 Opinião

  18/01/2012
  4 comentário(s)


Bartolo-nosso

Texto que escrevi quando soube da morte de Bartolomeu Campos de Queirós, no dia 16/01/12

Bartolo-nosso
Bartolomeu não era meu, era nosso. De todo mundo que ama a poesia, a literatura, a leitura, a memória, o ensino, o encanto. Mas no início dos anos 80, eu tinha a impressão de que ele era só meu.

Ele tinha publicado dois livros no início da década de 70 ("Pedro" e "O peixe e o pássaro"), mas os livros tinham saído de catálogo e desapareceram do mapa durante anos. Aí, em 1980, minha mãe fundou a Editora Miguilim e seu primeiro passo foi recuperar essas duas obras primas do Bartolomeu.

Foram os primeiros de mais de 10 livros do Bartô que eu tive a sorte de ver nascendo e crescendo. Ciganos, Cavaleiros das Sete Luas, Correspondência, Indez, As patas da vaca e outros tantos. Eu estava entrando na adolescência e pude acompanhar (de intrometido que sempre fui) o processo de ilustração, de editoração, de lançamento.

Além disso, eu passava todas as minhas tardes na Miguilim (que, além de editora, era uma "casa de leitura e livraria") e o Bartô passava por lá quase todo dia, ou pelo menos foi assim que a minha memória guardou, num ato rebelde de bartolomice.

Quando comecei a escrever, ele foi uma influência clara, descarada. Meu "O sabiá e a girafa" deve um bocado a "O peixe o pássaro". Meu "Gato de Estimação" segue os passos da "História em 3 atos".

Meu estilo, se é que algum dia consegui chegar perto disso, foi fermentado numa mistura do lirismo e do "memorialismo" do Bartolomeu com o humor e o nonsense de outros dois escritores que também foram embora cedo demais: os saudosos Sylvia Orthof e José Paulo Paes.

Muitos anos depois, tive a honra de dividir com o Bartô dois livros: o infantil "Olhar de bichos" e o teórico "O que é qualidade na literatura infantil e juvenil". Além de muitas conversas em lançamentos, feiras de livros, aeroportos, onde quer que a literatura infantil leve a gente. Levava.

Como o seu personagem Pedro, o Bartô foi embora com o coração cheio de domingo. Mas os livros ficam pra todos os dias.



  Mais notícias da seção Literatura no caderno Opinião
01/04/2012 - Literatura - Como (não) funciona a literatura infanto-juvenil no Brasil - 13 apontamentos insolentes
Texto que publiquei originalmente no Facebook, no dia 31/03/2012, e agora trago para cá, acrescido de alguns comentários posteriores....



Capa |  Biografia de Leo Cunha  |  Entrevistas  |  Fortuna Crítica  |  Galeria  |  Livro a Livro  |  Notícias  |  Oficinas  |  Opinião  |  Poemas Animados  |  Prêmios  |  Teoria  |  Todos os Livros  |  • Contatos
Busca em

  
217 Notícias


Todos os Livros
 

Literatura

 

Livros por ordem de lançamento

 

Por título

 

Minha obra, de A a Z

 

Por ilustrador

 

Muito mais do que desenhos

 

Coletâneas

 

Bem acompanhado

 

Por gênero

 

Poesia, prosa, crônica e teatro